43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior, mostra SPC Brasil

Com a economia fragilizada e alta na inflação brasileira o poder de compra dos consumidores caiu. De acordo com dados divulgados pelo Serviço de Proteção ao crédito (SPC), as dívidas no ensino superior da rede privada chegam a 43,5% e lideram em primeiro lugar em relação a dívidas e atrasos nos pagamentos. Os dados foram retirados do Indicador de Inadimplência na Educação, desenvolvido em parceria do SPC Brasil juntamente com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Com o crescente número em relação a inadimplência é importante estar atento a questões como o aditamento FIES, para que desta forma, não perca seu contrato e acabe entrando na porcentagem de dividendos na rede Superior de Ensino. Para os estudantes que pretendem realizar o contrato de financiamento no próximo ano, confiram o calendário e fiquem atentos as datas referentes as  inscrições para o FIES em 2021.

Com relação as dividas no Ensino Superior foi possível constatar que os número são alarmantes, pois mostram que em comparação com a Rede Básica de Ensino os número são quase três vezes maiores. De acordo com Marcela Kawauti,
economista-chefe do SPC Brasil a diferença no número de dividendos quando comparadas as redes Básicas e Superiores de Ensino ocorre devido a concentração de famílias com maior poder aquisitivo nas escolas privadas do Ensino Fundamental e Médio, enquanto na rede Superior e privada o ingresso se tornou acessível para famílias de baixa renda.

Fatores como a pandemia ocasionada pelo novo corona vírus contribuíram para aumento do acumulo de dívidas e evasão dos alunos nas redes privadas do Ensino Superior. As universidades mantiveram os valores da mensalidade enquanto diversas famílias tiveram suas rendas reduzidas durante este período o que provocou insatisfação aos alunos e familiares.

Fatores como a alta no número de dividendos, somados a crise econômica e uma pandemia não são favoráveis para os estudantes e suas famílias, pois colaboram para uma continuidade e possível crescimento nos números relacionados a atrasos e dívidas no Ensino Superior.

Um possível cenário de melhora ocorreria com a negociação das dívidas juntamente com as instituições da rede privada, outro possível cenário é uma melhora nos números relacionados ao mercado de trabalho. Pois todos esses pontos levantados durante o artigo fazem com o poder de compra dos consumidores continue baixando. As instituições de Ensino Superior estão tratando os casos de forma isolada, pois nem todas as famílias tiveram danos econômico durante o presente ano.

Durante o primeiro semestre do ano teve uma queda no número de inadimplentes, mas no mês de abril os números voltaram a crescer. A procura por cursos EAD tem crescido devido as mensalidades mais baratas.