Por qual motivo a Fiat deu férias coletivas para 600 funcionários da fábrica de Betim-MG?

A FIAT é uma montadora com uma das maiores tradições e reconhecimento do mercado brasileiro. O seu perfil é composto por um compromisso com os brasileiros seguindo sempre com pioneirismo e inovação como suas características marcantes. Possui produtos de alta qualidade e tecnologia, design admirado, respeito ao consumidor e responsabilidade socioambiental.

Instalada em Betim, Minas Gerais, desde o ano de 1976 a FIAT tem capacidade para produzir cerca de 800 mil veículos por ano. Sempre investindo no desenvolvimento de novos produtos com novas tecnologias através de seus profissionais de altíssima qualidade e capacitação que coordenam todos os projetos inovadores que a empresa propõe entregar ao público.

Muitos são os carros da FIAT que chamam atenção no mercado, mas para o ano de 2021 o que mais vem atraindo os olhares, é o lançamento da Fiat Strada 2021. Após ter seu lançamento adiado devido à pandemia provocada pelo Corona Vírus enfim a Fiat Strada chegou ao mercado brasileiro.

Muitas mudanças aconteceram, tanto internas quanto externas, tendo uma das principais as portas do veículo, onde nessa reformulação a cabine dupla apresenta quatro portas ao invés de duas. No quesito mudança interna haverá duas opções de cabine que serão mais espaçosas, sendo a plus e a dupla.

No início do ano de 2021 a Fiat não entrou na boca do povo apenas pelo lançamento da Fiat Strada, uma informação começou a se espalhar e a empresa se tornou um dos assuntos mais falados pelos brasileiros no início do mês de março. Esse assunto que gerou grande dúvida e falatório foi a respeito das férias coletivas dada a 600 funcionários da fábrica da Fiat.

A fábrica em Betim, região metropolitana de Belo Horizonte, determinou que daria férias coletivas para cerca de 10% de seus funcionários. Esses funcionários fazem parte do segundo turno de uma das três linhas de produção. A empresa não divulgou ao certo o número de funcionários que entraram de férias, mas segundo o Sindicato de Metalúrgicos de Betim foi um total de 602 trabalhadores.

Segundo a Fiat essas férias coletivas foi uma medida tomada com o objetivo de adaptar o ritmo de produção da fábrica as condições de volume e regularidade atuais do fornecimento dos componentes. Devido à pandemia muitos insumos de várias fabricas sofreram atrasos e com a Fiat não foi diferente, o fornecimento de componentes como aço e eletrônicos vai cair e a presença dos funcionários na fábrica não iria ser útil já que os materiais de trabalho deles não foram fornecidos.

A previsão é que essas férias vão até o dia 22 de março que é quando os componentes chegam a fábrica e todas as atividades voltam ao seu ritmo de produção.